SBN - Sociedade Brasileira de Nefrologia - Nefrologistas

Notícias

26/07/2010 - Veja entrevista do Presidente da SBN sobre TRS

Emmanuel Burdmann: "Mortalidade de pacientes em diálise está aumentando"

por Conceição Lemes

Os rins são os nossos filtros. "Limpam" o sangue, livrando-o de substâncias que, em excesso, são tóxicas ao organismo.

Funcionam assim. O sangue de todo o corpo (cerca de 5 litros num adulto) passa pelos rins uma vez e meia por hora. Ao final de 24 horas, cerca de 180 litros são "lavados", resultando diariamente em 1 a 1,5 litro de urina, que é composta de água e resíduos. É através dela que eliminamos as toxinas, ou seja, o "lixo" resultante da depuração do sangue.

Mas os rins podem falhar devido a algumas doenças e uso prolongado de certos medicamentos, entre outros fatores. Quando a lesão renal é aguda, o rim pode recuperar a sua função.

Porém, um em cada dez adultos tem doença renal crônica. As lesões nesses órgãos viram cicatrizes e eles progressivamente deixam de funcionar. São cinco estágios. No quinto, a fase mais avançada da doença, a pessoa tem de fazer diálise ou transplante renal.

Há vários tipos de diálise, ou tratamento dialítico. No Brasil, utilizado em 90% dos casos é a hemodiálise. O sangue passa por uma máquina, que faz a sua "limpeza", jogando o "lixo" e as substâncias em excesso (inclusive água) fora.

"A doença renal crônica é um problema de saúde pública", alerta o médico nefrologista Emmanuel Burdmann, presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN) e professor da Faculdade de Medicina da USP. "Em 2009, havia 77.589 pacientes fazendo diálise; o tratamento de 87% deles foi pago pelo SUS [Sistema Único de Saúde], os 13% restantes, por convênios".

Os dados são do Censo 2009 realizado pela SBN, que enviou questionário às 626 unidades de diálise cadastradas na entidade e em funcionamento; 437 (69,8%) responderam. A maioria é terceirizada, apesar de o SUS ser o grande pagador. Os poucos serviços públicos estão ligados a faculdades de medicina.

"O número de doentes renais crônicos vem aumentado, mas o de unidades de diálise, não", avança Burdmann. "Os insumos utilizados no procedimento são caros e o valor pago pelo SUS por sessão de diálise não é suficiente para cobrir as despesas para funcionamento das unidades. O valor mínimo seria ao redor de 100 dólares por sessão [dura 4 a 6 horas], enquanto o valor pago fica em torno de 80".

"A taxa anual de mortalidade entre pacientes em diálise no Brasil está aumentando. Em 2006, era 13%. Em 2009, atingiu 17%", atenta o presidente da SBN. "Ela ficava acima da japonesa, similar a europeia e quase a metade da estadunidense. Atualmente, está mais próxima da estadunidense". O dado é do censo da SBN de 2009.

"Isso provavelmente se deve em parte ao estrangulamento econômico das unidades de diálise", avalia Burdmann. "Verifica-se um progressivo sucateamento das máquinas e compra de material mais barato, muitas vezes de qualidade inferior. Profissionais de saúde mais experientes são substituídos por outros de formação inferior".

O número de óbitos dos censos da SBN não coincide, porém, com os do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), vinculado à Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), do Ministério da Saúde.



Segundo Burdman, a diferença se deve à fonte de coleta: "Os dados do censo da SBN são obtidos diretamente das clínicas e referem-se a pacientes em diálise. Já os do Ministério da Saúde baseiam-se no diagnóstico de doença renal crônica como causa de morte no prontuário ou no atestado".

90% DAS PESSOAS EM DIÁLISE SÃO POBRES

A Sociedade Brasileira de Nefrologia levou essas questões ao Ministério da Saúde, que acaba de realizar um estudo para fazer o diagnóstico dos serviços de hemodiálise no SUS.

"Nos próximos dias o estudo será apresentado ao secretário de Atenção à Saúde do Alberto Beltrame", informa ao Viomundo o Ministério da Saúde. "Ele irá avaliar a necessidade ou não de novas medidas para o setor, inclusive possíveis reajustes".

"Em 2008, fizemos dois reajustes nos procedimentos de hemodiálise, e a sessão passou a custar R$144,17", ressalta o Ministério da Saúde. "Ao longo dos últimos nove anos, além da ampliação de volume de diálises, os recursos destinados ao custeio dessas ações aumentaram. Em 2000, os gastos giravam em torno de R$ 600 milhões. Em 2009, chegaram a R$ 1,7 bilhão. Um aumento acima de 150%". O SUS paga R$144,17 por sessão. A SBN reivindica R$ 176,00 (ao dólar de 22 de julho). Usualmente, são três sessões de diálise por semana; cada uma dura de 4 a 6 horas.

"É preciso um reajuste emergencial de, no mínimo, 5%, 6%", diz Burdmann. "Dos pacientes em diálise pelo SUS, 90% são pobres, estão na faixa dos 50-60 anos, sem poder de pressão na sociedade. No fundo, essa é a questão mais importante. Se nada for feito, milhares deles poderão ser prejudicados".

Considerando que a doença renal crônica é problema de saúde pública e raramente é assunto na mídia, conversamos um pouco mais com o doutor Burdmann.

Viomundo – No início, o senhor disse que o número de pessoas com doença renal crônica está aumentando no Brasil. Esse fenômeno é brasileiro?
Emmanuel Burdmann – Não. Isso está acontecendo no mundo inteiro.

Viomundo – Por quê?
Emmanuel Burdmann – Provavelmente devido a mudanças dos hábitos e estilo de vida, favorecendo a hipertensão arterial, ou pressão alta, a diabetes, que é o aumento de "açúcar" no sangue e a obesidade. Diabetes e hipertensão são as principais causas de doença renal crônica. Idade acima de 55 anos é outro fator de risco importante.

Viomundo — Quer dizer que quanto maior a ocorrência de obesidade, diabetes e hipertensão maior o número de casos de insuficiência renal crônica?
Emmanuel Burdmann – Seguramente. Essas doenças causam vários desequilíbrios e lesões orgânicas, inclusive nos rins. Daí o aumento de casos de doença renal crônica no mundo inteiro.

Viomundo – Que outros fatores contribuiriam?
Emmanuel Burdmann – O envelhecimento da população. Hoje se discute também se o fato de o indivíduo ter sido acometido por lesão renal aguda não é um fator de risco para desenvolver doença renal crônica no futuro.

Viomundo – Antes a insuficiência renal crônica era rara?
Emmanuel Burdmann – Não, mas era muito menos comum do que hoje. Antigamente, boa parte das doenças renais crônicas era causada por glomerulonefrites (afetam os glomérulos, as unidades filtrantes do rim), doenças relativamente pouco frequentes na população.

Viomundo – A insuficiência renal crônica tem cinco estágios. É possível evitar que a pessoa evolua para o nível 5 e precise de diálise ou de transplante renal?
Emmanuel Burdmann – A doença renal crônica é evolutiva. A partir do momento em que atinge o nível 5, não tem recuperação. No lugar nos glomérulos, surgem cicatrizes. O sangue deixa de ser filtrado. Porém, se detectarmos a doença precocemente — estágios 2 e 3 –, é possível postergar a diálise ou transplante e até evitá-los com tratamento adequado.

Viomundo – De que maneira?
Emmanuel Burdmann – Mantendo sob controle o peso, a pressão arterial e os níveis de “açúcar” no sangue. Isso significa ter alimentação saudável, diminuir a ingestão de sal, exercitar-se regularmente, deixar de fumar e consumir bebidas alcoólicas com moderação. O uso de medicamentos para reduzir a pressão arterial sistêmica e a pressão dentro dos glomérulos retarda de forma efetiva e até mesmo pode paralisar a progressão da doença. Agora, mesmo que não impeça a diálise, o acompanhamento adequado faz com a pessoa inicie o tratamento ou faça o transplante em melhores condições clínicas.

Viomundo – Como eu posso saber se tenho doença renal crônica?
Emmanuel Burdmann – Fazendo dosagem anual de creatinina no sangue e exame de urina. Esses dois testes avaliam eficientemente a função renal, são muito baratos e disponíveis em toda a rede pública de saúde. A creatinina é uma substância produzida pelos músculos e eliminada pelos rins. O seu aumento, mesmo que dentro da faixa considerada “normal”, indica lesão renal. O objetivo do exame de urina é verificar a presença de proteína, hemácias e leucócitos. Em quantidade anormal, também indicam lesão renal. Esses dois exames detectam a doença renal crônica nas suas fases iniciais.

Viomundo – Todo mundo tem de dosar creatinina?
Emmanuel Burdmann – Depende da situação. Toda pessoa que vai se submeter a cirurgia de médio ou grande porte ou precisa usar medicamentos que podem afetar os rins, como antiinflamatórios não hormonais, contraste iodado e alguns antibióticos, deveria dosar a creatinina. Parentes de primeiro grau de pessoas com doença renal crônica também.

Porém, a dosagem de creatinina e o exame de urina são obrigatórios pelo menos uma vez por ano para quem tem diabetes, hipertensão arterial ou mais de 55 anos. São os grupos mais vulneráveis ao desenvolvimento da doença renal crônica. Se isso fosse feito de rotina, diagnosticaríamos muito mais casos de doença renal crônica nas suas formas iniciais, com óbvio benefício para a população e para o governo.

Viomundo – Qual a consequência de não se dosar regularmente a creatinina em diabéticos e hipertensos?
Emmanual Burdmann – Provavelmente muitos pacientes morrem sem saber que são doentes renais crônicos. No Hospital das Clínicas, sou um dos responsáveis pela emergência nefrológica. Todo dia atendemos no pronto-socorro duas ou três pessoas cujo diagnóstico é de doença renal crônica em fase dialítica e elas sequer sabiam que estavam doentes. A grande maioria é diabética e/ou hipertensa, e muitas estavam sendo acompanhadas em apostos de saúde ou ambulatórios.

Viomundo – A doença renal crônica então evolui silenciosamente como a hipertensão?
Emmanual Burdmann – Exatamente. Está havendo uma verdadeira epidemia silenciosa de doença renal crônica. Por isso, a minha sugestão a todos os diabéticos, hipertensos e indivíduos com mais de 55 anos: peça ao seu médico para incluir a dosagem de creatinina e o exame de urina entre os seus exames de rotina.

Fonte: Vi o Mundo

Mais notícias

17/04/2014
Resultados do Censo 2013

16/04/2014
50 anos do 1º Transplante Renal no Brasil

08/04/2014
Dor insuportável: veja como prevenir e diagnosticar pedras nos rins e na vesícula

08/04/2014
Falando em Saúde

03/04/2014
Entrevista com Dr. Daniel Rinaldi para a TV Êxito

27/03/2014
Após três anos, Governo conclui apenas 11% das ações em saúde

21/03/2014
Caixa Preta da Saúde

18/03/2014
Nova droga diminui absorção de sódio pelo organismo

17/02/2014
Texto Informativo sobre o Dia Mundial do Rim 2014

12/02/2014
Conselhos de Medicina pedem apuração de denúncias de agressão aos direitos humanos e trabalhistas

Todas as notícias

voltar

Editor do Portal: Dr. Lúcio Roberto Requião Moura
Copyright 2014 - Sociedade Brasileira de Nefrologia. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Unimagem

Rua Machado Bittencourt, 205 - 5º andar - conj. 53 I Vila Clementino I São Paulo - SP | CEP 04044-000 I Telefone: +55 11 5579-1242