Proposal for a Functional Classification System of Heart Failure in Patients With End-Stage Renal Disease

postado 09/10/2017

Proposal for a Functional Classification System of Heart Failure in Patients With End-Stage Renal Disease


Proceedings of the Acute Dialysis Quality Initiative (ADQI) XI Workgroup


Lakhmir S. Chawla, MD, Charles A. Herzog, MD, Maria Rosa Costanzo, MD, James Tumlin, MD, John A. Kellum, MD, Peter A. McCullough, MD, MPH, Claudio Ronco, MD, :  ADQI XI Workgroup


Publicado: Journal of the American College of Cardiology Vol. 63, No. 13, 2014


A disfunção ventricular sistólica e diastólica pode levar ao desenvolvimento de insuficiência cardíaca (IC), nos pacientes em hemodiálise (HD) mesmo quando quando atingem seu “peso seco” . A doença miocárdica e cardiovascular pode reduzir a reserva hemodinâmica fazendo com que os pacientes sejam mais vulneráveis aos episódios de hipotensão durante a sessão de diálise. A classificação funcional da IC, nestes pacientes, (tais como a da New York Heart Association [NYHA] ) não leva em consideração o estado volêmico dinâmico dos pacientes em HD. Não é incomum que o mesmo paciente seja classificado em diferentes classes da NYHA antes e depois da sessão de HD.  Os autores do presente artigo propuseram uma classificação específica desenvolvida pelo Acute Dialysis Quality Initiative (ADQI) XI Workgroup baseada em 3 elementos:

  • Alteraçôes ecocardiográficas estruturais e funcionais

 

  1. a) HVE (IMV >110 g/m2 para mulheres e >130 g/m2 para homens ou

>47 g/m2 para mulheres e 50 g/m2  para homens)


 

  1. b) Aumento do índice de volume do VE >86 ml/m2 diastólico ou >37 ml/m2 sistólico.

 

  1. c) Aumento do átrio esquerdo (aumento do volume do átrio esquerdo > 34 ml/m2).

 

  1. d) Disfunção diastólica (ASE ≥2).

 

  1. e) Doença valvular mitral ou aórtica (estenose ou regurgitação)

 

  1. f) Disfunção sistólica de VD (e.g., TAPSE (tricuspid

annular plane systolic excursion)  <17 mm).


 

  1. g) Fração de ejeção do VE < 45%.

 

  1. h) Anormalidade regional do VE (>10% do miocardio).

 


A presença de 1 de 8 critérios listados preenchem evidenciam a presença de doença cardiáca.


 

  • Presença de dispnéia acontecendo na ausência de doença pulmonar ( incluindo hipertensão primária isolada)

 

  • Resposta da melhora dos sintomas a medidas de ultrafiltração durante TSR.

 


A validade desta avaliação ecocardiográfica foi confirmada por : Hickson LJ, et al.(Echocardiography Criteria for Structural Heart Disease in Patients With End-Stage Renal Disease Initiating Hemodialysis. J Am Coll Cardiol 2016; 67:1173.) que demonstraram que a disfunção do ventrículo direito foi independentemente associada a mortalidade. O critério de uma fração de ejeção ≤45% caracteriza um quadro de disfunção sistólica (como na população fora da diálise) e pode indicar a necessidade de uso de betabloqueadores como o Carvedilol. Mais estudos são necessários (além do uso de novas tecnologias tais como o desenvolvimento de novos biomarcadores de avaliação de função cardíaca) para dar suporte a esta classificação.

+www